Início » Glândulas salivares: pós-operatório

Foto do Dr. Arthur Vicentini.Dr. Arthur Vicentini
Cv Lattes
GoogleMyCitations
CRM: 15.4086

Glândulas salivares: pós-operatório

Cuidados no pós-operatório

Repouso

Um dos cuidados mais relevantes é que o paciente faça o repouso adequado. Entretanto, não é preciso ficar deitado na cama o dia inteiro, o paciente pode se movimentar, fazer pequenas caminhadas dentro de casa e algumas atividades domésticas mais leves. Porém, sempre evitando esforços físicos, como carregar peso, isso porque pode trazer maior fluxo de sangue para a região do pescoço gerando hematomas, e até abertura dos pontos.

Tomar medicações para reduzir a saliva

Após realizar o pós-operatório de glândulas salivares, glândula parótida, glândula submandibular, entre outras, é necessário o uso de algumas medidas que diminuam a produção de saliva.

Por exemplo, a prescrição do uso de alguns medicamentos e uma dieta pobre em tempero, condimentos e alimentos cítricos. Portanto, chupar bala ou mascar chiclete nem pensar!

Isso é feito porque após a cirurgia, é possível acumular um pouco de secreção salivar no local. E depois precisa realizar punções para não acumular e infeccionar a região fazendo com que a saliva vaze pelos pontos por onde foi feito o corte.

Drenos

Normalmente, os pacientes saem com drenos localizados nessas regiões com maior predisposição para acúmulo de saliva. Isso é feito logicamente para não inflamar.

Utilizar meias elásticas

Os pacientes são mantidos com meias elásticas ou com medidas mecânicas para evitar que o sangue nas pernas se coagule dentro dos vasos sanguíneos desencadeando a TVP, doença conhecida como trombose venosa profunda.

Movimentar os músculos

Fazer atividades da musculatura é importante porque quando realizamos algumas cirurgias, por exemplo, da glândula parótida, localizada na frente da orelha, ficamos com receio de ocorrer alterações no nervo facial, que é o nervo que movimenta os músculos da face.

Portanto, é importante manter o paciente realizando atividades de musculatura, fazendo movimentos ou até fonoterapia para evitar sequelas dos músculos depois da cirurgia.

dr arthur vicentini assinatura

Por Dr. Arthur Vicentini
da Costa Luiz.

CRM-SP 154086

Médico graduado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), com residência médica em Cirurgia Geral e Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Atua como membro efetivo da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço e médico colaborador da da Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Hospital das Clínicas da FMUSP e do Instituto do Câncer do estado de São Paulo (ICESP).

faixa-dr-arthur-300x2-300x2

Por Dr. Arthur Vicentini
da Costa Luiz.

CRM-SP 154086

Médico graduado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), com residência médica em Cirurgia Geral e Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Atua como membro efetivo da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço e médico colaborador da da Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Hospital das Clínicas da FMUSP e do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP).

faixa-dr-arthur-300x2-300x2

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 1 =

POSTS RELACIONADOS

× Agende sua Consulta