Dr. Arthur Vicentini

Iodoterapia para Câncer de Tireoide

Atualizado em 16/11/2021
Tempo de leitura: 2 min.

Iodoterapia, iodoradioativo, radioiodoterapia, todas essas variações de nomes se referem a um tratamento para doenças relacionadas com a tireoide.

A tireoide é o órgão que mais capta iodo dentro do organismo e utiliza para a produção de hormônios.

Para que serve a iodoterapia?

O tratamento com iodoterapia pode servir em duas situações distintas, sendo elas:

Doenças benignas da tireoide

As doenças benignas estão relacionadas, por exemplo, com o hipertireoidismo, ou seja, a tireoide trabalha demais e faz com que o organismo tenha um metabolismo acelerado.

O hipertireoidismo pode trazer para o paciente: alterações cardiovasculares, intestinais e outros problemas relacionados. Por isso, o tratamento com iodoradioativo pode ser uma alternativa para esse paciente.

Nesses casos, o tratamento pode ser feito com medicações que diminuem a quantidade de hormônio produzido ou fazem com que o hormônio não tenha um efeito indesejado no organismo.

Além do tratamento com iodoradioativo, é possível também retirar a tireoide cirurgicamente.

Em alguns casos, o tratamento com iodo é bem sucedido, em outras situações pode acontecer da pessoa ir para o polo inverso, ir para o hipotireoidismo.

Quando isso acontece, é necessário repor um pouco dos hormônios para que o organismo fique em equilíbrio.

Doenças malignas da tireoide

Quando se trata de doenças malignas, o tratamento principal é feito com cirurgia para retirada total da tireoide, muitas vezes retirando também os gânglios linfáticos e linfonodos.

Após o tratamento principal, o tratamento complementar surge como forma de evitar a recidiva do tumor naqueles pacientes que possuem altos riscos.

A indicação deste tratamento tem como objetivo tentar matar todas as células ou reduzir ao mínimo a quantidade de células que tenham sobrado na região do pescoço.

Nessas situações, o paciente é preparado para receber uma ou duas injeções para que haja um aumento de hormônios no organismo e o corpo fique mais ávido pelo iodo.

Depois disso, o iodoradioativo vai migrar pelo sangue até as células malignas, será captado pelas células e elas acabarão sendo destruídas através da radiação emitida pelo próprio iodo.

Em doenças malignas, a dose de iodo é bem maior do que as doses para doenças benignas, girando em torno de 50 a 200 mCi. Essa definição é feita baseada no tipo de tumor, na quantidade de lesão que existe e na gravidade dessa situação.

Procure um médico nuclear!

Quem cuida dessa parte é o médico nuclear, que estudou não só medicina, mas também física e ciências nucleares para efetivamente propor um tratamento para o paciente.

Dr Arthur Vicentini | Dr. Arthur Vicentini CRM 154.086
Dr. Arthur Vicentini da Costa Luiz
CRM-SP 15.4086
Médico graduado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), com residência médica em Cirurgia Geral e Cirurgia de Cabeça e Pescoço.
+ Saiba mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − 2 =

 | 28 / 10 / 21
O câncer de tireoide é uma doença bastante frequente, por isso, é importante se atentar aos sinais e evitar que essa doença se propague.
Ler Mais
 | 14 / 10 / 21
A tireoglobulina é uma molécula produzida pelas células da glândula tireoide. Saiba quando o exame é indicado.
Ler Mais
1 2 3 28
Atenção: O site  www.arthurvicentini.com.br  visa melhorar o acesso aos pacientes à informação de qualidade sobre sua saúde, porém nada substitui uma avaliação completa, durante consulta médica e diagnóstico adequados.

Direitos Reservados 2021 Dr. Arthur Vicentini – CRM 154086 | Desenvolvido por Surya Marketing Médico.

magnifiercross