Dr. Arthur Vicentini

O que é o esvaziamento cervical e como é feito o procedimento?

Atualizado em: 16/11/2021
Tempo de leitura: 4 minutos
Sumário
Acompanhe no youtube
icon metro youtube arthur vicentiniinscreva-se

O esvaziamento cervical é um procedimento realizado pelo Cirurgião de Cabeça e Pescoço em casos de tumores malignos que apresentem metástases para os linfonodos cervicais. Também pode ser indicado em casos em que, apesar de não haver metástases identificadas, o risco de elas existirem seja significativo (classicamente, maior que 20%). Durante o procedimento, é feita a retirada de estruturas linfáticas e não linfáticas afetadas pelo câncer.

A Imagem Mostra Duas Mãos No Pescoço De Um Homem, Que Aparece Do Nariz Ao Tórax.
O Que É O Esvaziamento Cervical E Como É Feito O Procedimento?

Grande parte dos tumores primários da região da cabeça e do pescoço tem como característica própria a disseminação através dos vasos linfáticos, com surgimento de metástases para os linfonodos dessas regiões. Nos casos em que há metástases diagnosticadas para os linfonodos do pescoço ou quando o risco de elas surgirem seja significativo, optamos por realizar a retirada das estruturas linfáticas e outras não-linfáticas (como tecido gorduroso, vasos sanguíneos, músculos e etc).

O objetivo principal desse procedimento é remover, além do tumor principal (chamado de primário) as estruturas que possam estar acometidas por células malignas, fazendo com que o tratamento seja mais eficaz e se reduza o risco de recidivas / persistências da doença.

A técnica, portanto, varia de acordo com a necessidade do paciente e as características de cada caso (tipo de tumor, localização, tamanho, fatores de risco envolvidos, etc). Neste artigo apresentaremos algumas variações da realização desse procedimento para que você possa entender o modo como ele é aplicado. Continue lendo!

Níveis dos grupos de linfonodos

Antes de explicarmos com mais detalhes as diferentes técnicas para realização do esvaziamento cervical, é importante conhecer a classificação dada aos grupos de linfonodos da região do pescoço.

Eles foram divididos em níveis para facilitar a compreensão e interpretação dos profissionais da área de saúde, incluindo os Cirurgiões de Cabeça e Pescoço. Também determinam quais estruturas deverão ser retiradas durante o procedimento. Veja a seguir essa classificação.

● Nível I: linfonodos submandibulares e submentuais;
● Nível II: linfonodos localizados próximos ao terço superior da veia jugular interna;
● Nível III: linfonodos localizados próximos ao terço médio da veia jugular interna;
● Nível IV: linfonodos próximos ao terço inferior da veia jugular interna;
● Nível V: linfonodos da porção posterior ao músculo esternocleidomastoide e anterior ao músculo trapézio do mesmo lado;
● Nível VI: linfonodos do compartimento anterior ou central do pescoço, compreendidos entre as artérias carótidas comuns de cada lado do pescoço.

Técnicas de esvaziamento cervical

O esvaziamento cervical recebe esse nome porque nesse procedimento cirúrgico são retirados os vasos linfáticos, bem como os linfonodos responsáveis por fazer a drenagem dos líquidos da cabeça e do pescoço.

Porém, nem sempre isso é suficiente, e muitas vezes também é necessário fazer a remoção de nervos, glândulas salivares, vasos sanguíneos (artérias e veias), bem como de tecido muscular.

A extensão do procedimento é relacionada a diversos fatores, tais como a agressividade do tumor, a invasão de estruturas locais, o risco de recidiva, os fatores de risco e outros. Quanto à extensão, podemos classificar os esvaziamentos cervicais como:

Esvaziamento cervical radical

Nessa técnica de esvaziamento cervical, abordamos os níveis I a V, sendo também ressecados o músculo esternocleidomastoide, a veia jugular interna e o nervo acessório (XI Nervo Craniano).

Esvaziamento cervical radical modificado

O procedimento é basicamente o mesmo do esvaziamento cervical radical, no entanto, nessa técnica algumas estruturas podem ser preservadas. É feita a descrição da aplicação do esvaziamento cervical modificado com a preservação, por exemplo, da veia jugular e/ou do nervo acessório.

Esvaziamento radical ampliado

Quaisquer que sejam os níveis ressecados, quando da retirada de estruturas que não compõe os esvaziamentos cervicais clássicos, damos a ele o nome de ampliado. Nessas situações, podem ser retiradas cartilagens, ossos, pele, glândulas (como a parótida, por exemplo), grupos musculares alheios aos níveis, e etc.

Esvaziamento cervical seletivo ou parcial

Existem diferentes procedimentos para realização do esvaziamento cervical seletivo ou parcial. Neles, são retirados grupos de linfonodos, bem como estruturas não linfáticas, mas sem seguir essa regra da retirada dos níveis I a V.

Podemos citar, como exemplos, os seguintes tipos de esvaziamento cervical seletivo:

  • Supra-omo-hioideo: Ressecção dos níveis I a III (ocorre nos tumores iniciais da cavidade oral, por exemplo);
  • Lateral: Remoção dos níveis II, III e IV (essa técnica é comumente aplicada para os casos iniciais de câncer de laringe);
  • Central: Ressecção das estruturas do nível VI (normalmente, utilizada para tumores de tireoide).

O esvaziamento cervical é um tratamento invasivo, portanto, realizado em ambiente hospitalar com o paciente devidamente preparado, sob anestesia geral e que envolve manipulação de estruturas nobres à vida do paciente. Por esse motivo, é importante que seja realizado por um Cirurgião de Cabeça e Pescoço bem treinado e experiente, evitando complicações e reduzindo os riscos de sequelas. Sempre converse com seu médico e esclareça as dúvidas para entender a técnica que será realizada, seus possíveis riscos e benefícios.

Acompanhe no youtube
icon metro youtube arthur vicentiniinscreva-se

Dr. Arthur Vicentini da Costa Luiz

CRM-SP 154.086
Médico graduado pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), com residência médica em Cirurgia Geral e Cirurgia de Cabeça e Pescoço.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Traqueostomia: Quando é necessário trocar a cânula?

Descubra tudo sobre a traqueostomia, desde suas indicações para facilitar a respiração até a importância vital da troca periódica da cânula para evitar complicações respiratórias sérias.
Saiba Mais

O que é traqueostomia: como funciona o sistema respiratório após o procedimento?

Descubra o que é a traqueostomia, quando é necessária e como o sistema respiratório funciona após o procedimento. Clique aqui e saiba mais!
Saiba Mais

Entenda a importância da Nasofibrolaringoscopia

Entenda a nasofibrolaringoscopia: o que é, como é realizada e suas principais indicações na prática médica diária. Descubra sua importância para diagnósticos precisos.
Saiba Mais
Atenção: O site  www.arthurvicentini.com.br  visa melhorar o acesso aos pacientes à informação de qualidade sobre sua saúde, porém nada substitui uma avaliação completa, durante consulta médica e diagnóstico adequados.

Dr. Arthur Vicentini da Costa Luiz – CRM 154.086 | Desenvolvido por Surya Marketing Médico.

Todos os direitos reservados © 2024
Atualizado em: 
18:17 | 04/07/2024
magnifiercross